sábado, 19 de agosto de 2017

A IGREJA CHUCHU



                                                A IGREJA CHUCHU


O chuchu faz com que os pratos rendam, porque assimila o gosto daquilo com que foi misturado. Assim, o chuchu aumenta a quantidade da comida. Há muitas igrejas chuchu. Assimilou o sabor da cultura decaída. Como o chuchu, tomou o gosto do mundo. Perdeu o sabor próprio do Evangelho. Por isso, estão superlotadas de incrédulos sendo tratados como crentes.

A igreja chuchu tem sido um problema sério para o Reino de Deus. Sua ausência de autoridade espiritual desacredita o Evangelho. Ninguém a leva a sério. Nem ela mesma. Nem o seu pastor. A igreja chuchu está afogada na instabilidade emocional. Perdeu sua sensaboria espiritual. Sabe que não é autêntica. Usa um disfarce de santidade e fervor. Por ter perdido sua identidade, seu rebanho vive espiritualmente derrotado. Jesus declarou: “Vós sois o sal da terra”. Não disse: “Vós sois o chuchu da terra”.

Muitas igrejas tornaram-se chuchu porque seus pastores partiram do pressuposto, equivocado, de que igreja é uma instituição sociológica. A igreja tem caráter sobrenatural porque sua origem é divina. Não é uma ONG. Não é um clube nem é uma casa de show. A igreja vista como uma instituição sociológica é uma catástrofe, pois forçosamente deixará de ver as pessoas como pecadoras. O pecado passa a ser doença, desajuste, outra coisa qualquer, exceto pecado.

Devido a sua fraqueza espiritual a igreja chuchu colocou o foco do culto no homem. Não se ouve falar da salvação pela graça por meio da fé. Não se ouve falar sobre o juízo final, sobre santidade, sobre a volta do Senhor. O negócio é triunfar sobre os infortúnios da vida. Glorificar a Deus passou a ser esgoelar-se no culto. “Glorifica mais alto, irmão!”, “Coloque a mão no seu coração e exploda”. É o pedido do animador do culto.  

Na igreja chuchu glorificar a Deus é espancar a bateria e cantar música com letra erótica do tipo: “O céu se une a terra como um beijo apaixonado”. A exaltação ao Senhor é trocada pelo louvor do ego: “Remove a minha pedra, me chama pelo nome, muda a minha história, ressuscita os meus sonhos, transforma a minha vida, me faz um milagre, me toca nessa hora, me chama para fora, ressuscita-me”. É muito “me”, “me”, “me”, “minha”, “minha”, “meu”.

Se pudéssemos pesar numa balança o conteúdo teológico dos corinhos que cantamos não dá o peso de uma agulha: “Mergulhar em teus rios”, “Voar nas asas do espírito”. O povo quer tomar banho e voar. Quanta mistificação da fé! A fé é transformada em aspirações esotéricas irrealizáveis. A intimidade com Deus se torna semelhante a alucinações místicas.

Na igreja chuchu, aculturada sociologicamente, a liturgia é agitada e o sermão também. O pregador, entre uma frase e outra, fala em línguas estranhas para dar um sabor de espiritualidade à plateia. Pula, grita e se remexe continuamente para levar o povo à catarse. Os sentidos sobrepujam a razão. Nesse contexto, o culto mexe com os pés e os braços. Não mexe o coração.

Os pastores das igrejas chuchus esqueceram que há no Novo Testamento muitos mandamentos exortando o uso da razão. Paulo fala do culto racional. Portanto, a igreja não é um ajuntamento social onde se estimula o emocionalismo. A sua saúde e o seu vigor dependem de sua fixação sobre o Cristo crucificado e ressuscitado.

Tenho dito,
Irmão Marcos Pinheiro

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

NÃO MEXA COMIDO! SOU UNGIDO



                                     NÃO MEXA COMIDO! SOU UNGIDO


Na época de Miquéias, a liderança religiosa era gananciosa e bradava cinicamente: “Não está o Senhor no meio de nós?” (Mq 3:11). Miquéias, então, denunciava o pecado da avareza. A liderança manda Miquéias calar a boca por trazer-lhe uma mensagem de condenação e castigo (Mq 2:6). Hoje, não é diferente. A falsa liderança “evangélica” é ágil em se proteger debaixo da couraça “Não toqueis nos meus ungidos” para ameaçar aqueles que questionam suas doutrinas antibíblicas.

Esquece a falsa liderança que “Não toqueis nos meus ungidos e aos meus profetas não façais mal” (I Cr 16:22) não significa “Ai de quem mexer comigo” até porque o sentido de “Não toqueis” é exclusivamente quanto à inflição de dano físico e refere-se a Abrão, Isaque e Jacó. Portanto, nenhum pregador do Evangelho é isento de questionamentos. Todos nós precisamos passar pelo teste bíblico da doutrina. Nenhum pregador é imune a juízo de valor.

A liderança falsa arranca a pele de suas ovelhas, esmiúçam os ossos e quer que fiquemos calados. Contam estórias estapafúrdias e tenebrosas no púlpito com tonalidade ameaçadora para criar credibilidade da plateia. O pior, é que o povo gosta desses “profetas”. E, ai daquele que não alimentar a sua cobiça vaidosa. Declaram guerra: “Mas contra aquele que nada lhes metem na boca preparam guerra” (Mq 3:5).

O ministério de Jesus foi uma cruzada contra aqueles que abusavam espiritualmente de outras pessoas. Paulo combateu os falsos ensinos. A igreja primitiva não mediu esforços em combater as falsas doutrinas. Os puritanos não pouparam denuncia ao falso Evangelho. Charles Spurgeon disse: “O mais maligno servo de Satanás que conheço é o ministro infiel do Evangelho”.

Miquéias foi duro contra os falsos profetas. Ele não cortejou sua mensagem buscando simpatia e favores. Miquéias não arreda o pé do que sabia ser certo e denuncia veementemente o pecado e a condenação: “Por causa de vós, Sião será lavrada como um campo, e se tornará em montões” (Mq 3:12).

Por outro lado, Miquéias traz uma mensagem cheia de esperança para todos nós. Ele profetiza sobre um povo remanescente que não está centrado na ambição: “Certamente te ajuntarei ó Jacó... subirá diante deles o arroteador, o que abre o caminho; eles romperão...”. (Mq 2:12,13). Miquéias viu um povo de coração batendo junto. Viu pessoas tão dirigidas pelo Espírito que seriam excluídas pela igreja ambiciosa. Viu um remanescente excluído pela igreja abominável.

O remanescente excluído que Miquéias fala não são os pastores “popstars” aplaudidos pelos bodes bravos. Mas, são aqueles que levantam a voz contra a corrupção na casa do Senhor. São aqueles que têm sua mente direcionada aos céus. São aqueles que estão esgotados de tanta superficialidade. O remanescente excluído se elevará fora do arraial, chorará por causa das abominações da igreja cobiçosa e romperá, e proclamará o verdadeiro Evangelho. Desse remanescente sairá a verdadeira Palavra!

Ir. Marcos Pinheiro

sábado, 5 de agosto de 2017

PERIGO! VENENO NO MEIO EVANGÉLICO



                                 PERIGO! VENENO NO MEIO EVANGÉLICO

O veneno mais perigoso não é aquele que está empacotado em uma caixa com o aviso de perigo. Mas, aquele que vem maquiado de alimento saboroso. Muitos pastores estão envernizando seus venenos doutrinários para ludibriar os incautos. Conseguem ganhar os ouvidos e enganar o coração das pessoas com palavras que soam espiritualidade.

Para muitos pastores o mega-patrimônio é a coisa mais valiosa desta vida. O pior é que eles incentivam a membresia através de suaves lisonjas a não viverem na perspectiva do eterno. Adulteram o sentido sublime do jejum e da oração dando-lhes sabor de barganha para a construção de seus palácios eclesiásticos.

Esses homens têm o ministério como uma oportunidade para a fama e construção de império econômico. Tratam a salvação como se fosse uma vacina contra o mosquito da dengue. Por isso, é de suma importância analisar com muita integridade bíblica o conteúdo das pregações e ensinos desses homens observando se estão de acordo com as Santas Escrituras.

É verdade que nas pregações desses pastores muitos veem à frente “aceitando Jesus”, mas esse fato não significa que a mensagem foi uma palavra genuinamente bíblica. "Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade".

O valor de um pastor é medido por sua capacidade de suprir o rebanho dando-lhe alimento santo e não as sopinhas do Egito: cebolas, pepinos e alhos. Lamentavelmente, muitos líderes perderam as responsabilidades sacerdotais. Tornaram-se administradores de negócios eclesiásticos.

O culto virou um produto a ser vendido. Abre-se espaço para a venda de quinquilharias. Pasmem! Até anuncio de venda de terreno acontece. Quanto mais farfalhudo for o título do culto, mais sucesso na frequência: Culto dos Desempregados, Culto da Vitória, Culto dos Empresários, Culto das Mulheres e Homens de Negócios, Culto da Gratidão, Culto dos 300 Filhos da Luz, Culto das Causas Impossíveis, Culto dos Mais Que Vencedores. A igreja está sendo dirigida nos moldes de um empreendimento secular. Isso é recrucificar o Senhor Jesus.

Os pastores venenosos vivem em busca de aplausos. Vivem de glamour. Vivem vida 5 estrelas. Deveriam olhar para a vida de Jesus. Jesus nasceu numa estrebaria de 3ª categoria. Foi posto no lugar onde bichos fedorentos se alimentavam. O ambiente onde ficou era cercado por moscas e muito cheiro de esterco. Seu palácio foi uma carpintaria. Sua coroa não foi de ouro, mas de espinhos. Seu trono não foi uma poltrona confortável, mas foi a cruz. Deveriam ler 2 Coríntios 11 e verificar a vida de Paulo. Paulo foi preso, açoitado, fustigado com vara, passou fome, sede, nudez e naufrágios.

A essência do cristianismo é conhecer a Deus em intimidade. O nosso modelo não são os bilionários dessa terra, mas Jesus, o homem que não tinha duas mudas de roupa.

Ir. Marcos Pinheiro